Herpes em animais

Entenda melhor o que é e como tratá-la.

O herpes em animais é um problema bastante recorrente entre os animais de estimação. Nos cães, a doença é causada pelo herpes-vírus canino (nos gatos, ele é o herpes-vírus felino) e pode trazer malefícios consideráveis para a saúde dos pets.

Por conta disso, conhecer melhor essa doença, suas características, sintomas e tratamentos é a melhor maneira de proteger os pets desse tipo de problema. Identificar os sinais de que algo pode estar errado e agir de maneira eficaz e veloz.

 

Herpes

Herpes é um nome genérico dado a doenças causadas por vírus “aparentados”’. Diferentes tipos de herpes-vírus acometem humanos, gatos e cães, causando problemas distintos entre si.

Nos animais, pode ocorrer tanto o acometimento causado pelo herpes-vírus canino (HVC) quanto o felino, agente causador da rinotraqueíte. Por isso é preciso conhecer bem os problemas, a fim de identificar os seus sintomas mais comuns e as consequências que podem trazer aos animais de estimação.

 

Diferença entre herpes felina e canina

Herpes felina, também conhecido como rinotraqueíte, é um problema altamente contagioso (por contato direto com outros animais infectados) que pode afetar gatos de todas as idades. A doença não é, no entanto, transmissível aos seres humanos, afirma a Dra. Livia Romeiro do Vet Quality Centro Veterinário 24h.

Já o problema canino também pode ser transmitido por contato direto, mas também há as formas placentária e venérea (ou seja, por contato sexual). Os principais sintomas são respiratórios mas, no caso dos cães, também há sinais gastrointestinais e a presença de feridas nas mucosas, assim como ocorre em humanos.

 

As causas e sintomas

No caso da rinotraqueíte, os sintomas mais comuns incluem:

  • Espirros frequentes.
  • Secreção e corrimento nasal.
  • Problemas para respirar.
  • Febre.
  • Desidratação.
  • Secreção ocular.
  • Dificuldade para abrir os olhos.
  • Inflamações na pele.

Já os sintomas mais comumente encontrados no herpes canina são:

  • Secreção nasal.
  • Respiração ofegante.
  • Tosse.
  • Diarreia (normalmente em tons de verde ou amarelo).
  • Dores abdominais.
  • Emagrecimento.
  • Conjuntivite.
  • Lesões na região genital.
  • Choros frequentes (filhotes).

Os filhotes, tanto no caso da rinotraqueíte quanto no do herpes canina, são os animais que estão sob maior risco de contágio. Por isso as cadelas gestantes precisam ser imunizadas para evitar que seus bebês contraiam a doença. Já os gatinhos podem ser diretamente vacinados contra a enfermidade.

 

Tratamento da doença

O tratamento da rinotraqueíte tem como principal objetivo o controle dos sintomas e a redução da desidratação do animal. Para isso, são prescritos medicamentos que aliviam o desconforto (ajudando nas inflamações e na febre, por exemplo) e inalações, além de outros procedimentos pouco invasivos.

No caso de herpes canina, o tratamento também segue a mesma linha de raciocínio. São comumente feitos procedimentos para aliviar os sintomas que aparecem, a fim de reduzir o desconforto do animal até que o ciclo da doença termine.

O principal motivo para os tratamentos sintomáticos, ou seja, que tratam os sintomas, é o fato de que os problemas são causados por vírus. Assim, é necessário esperar que o ciclo viral se complete, já que não existem medicamentos que atuem diretamente nessas estruturas.

O tratamento de suporte, no entanto, é essencial, especialmente quando falamos sobre animais debilitados, filhotes ou idosos. A desidratação e as outras ocorrências causadas pelos vírus podem levar esses pets a óbito ou trazer consequências irreversíveis para a sua saúde, afirma a Dra. Livia.

O herpes é um problema sério que requer tratamento rápido. Assim, é possível aumentar as chances de cura dos pets e garantir muito mais qualidade de vida a estes animais.

 

 

Comentários
Carregando...