Quando dois mais dois são cinco5 min para ler

Fazer acontecer a sua empresa veterinária não dependerá apenas de você, mas dos esforços conjuntos sincronizados e sinérgicos de toda sua equipe.

A estratégia tem a ver com toda a organização. Atos heroicos não levam a nada. Portanto, antes de finalizar as estratégias, analise e avalie a existência de possíveis conflitos e problemas internos.

A seguir, repasso cinco pontos que podem ser usados na avaliação de sua empresa:

 

1) Compatibilidade interna

Uma análise e avaliação da estratégia para sabermos se é conciliável com o objetivo. Por exemplo, uma estratégia que tem como meta um mercado-alvo restrito, criadores de uma determinada espécie ou raça não podem conciliar com um objetivo de volume grande de entregas e dispensas.

 

2) Compatibilidade externa

Analisar e avaliar se a estratégia concilia com o seu lucro, ambiente e mercado. Por exemplo, uma estratégia que vise uma melhor qualidade, eficiência e competitividade de um serviço, a fim de ter um honorário mais alto.

Atenção, pois o mercado está alterado por modelos de honorários mais baixos ou substitutivos que satisfazem o cliente de maneira igual, ou melhor.

 

3) Avaliação de Recursos

Uma estratégia específica vai requerer o envolvimento da equipe, finanças, produção, material e outros que podem não estar à disposição imediatamente.

 

4) Período

Analisar e avaliar se os produtos são compatíveis com o tempo programado para aquele determinado objetivo. Avalie se o tempo será mesmo suficiente para tal execução.

 

5) Riscos

Precisamos analisar e avaliar o quanto do total de recursos alcançados vão ser usados. Caso tenhamos um desvio, uma talha, isto poderá pôr em perigo o sucesso deste objetivo. Comente que, quanto menor o período de uma estratégia menor o risco de insucesso.

 

Implementação

As estratégias devem ser implementadas para que você e sua empresa façam acontecer através de ações operacionais. Na empresa veterinária há necessidade de haver soma de esforços, que devem ser vetoriais e não algébrica, pois nem sempre 1 + 3 será 4, poderá ser 5 quando há uma ótima sinergia entre todos os componentes da equipe. Contudo, a conta poderá ser 1 + 3 = 2, 1, – 2 ou –1, quando houver um grande antagonismo entre os componentes de sua equipe. Neste caso, seus concorrentes nem precisarão se preocupar.

  • As estratégias devem ser comunicadas para todas as equipes que serão corresponsáveis pela implementação e execução. Num sanduíche de carne de vaca com ovo, a galinha está simplesmente envolvida. Enquanto a vaca está comprometida.
  • As estratégias devem ser implementadas na melhor época de sua atividade: datas festivas, mês do cachorro louco, ciclos de compras e fatores sazonais.
  • As estratégias podem operar de maneira mais positiva quando houver motivação para assegurar o melhor desempenho e acompanhamento do início até ao seu término (propaganda, recompensas). Todo o programa estratégico desenvolvido deve ter uma implementação mediada, se não terá sido apenas uma intenção. Lembre-se “uma visão sem ação não passa de um sonho” que pode inclusive causar o fracasso do Plano de Marketing. Para usarmos o Empowerment, participação de todos os funcionários com mais autonomia e responsabilidade, é necessário que se tenha credibilidade, respeito e confiança nas pessoas. A sinergia alcançada por este método transforma-os em equipe.

 

A lição da mosca

Certa vez duas moscas caíram num copo de leite. A primeira era forte e valente. Assim, logo ao cair, nadou até a borda do copo, mas como a superfície era muito lisa e tinha suas asas molhadas, ela não conseguiu sair. Acreditando que não havia saída, a mosca desanimou, parou de nadar e de se debater e afundou. Sua companheira, apesar de não ser tão forte, era persistente e por isso continuou a se debater por tanto tempo que, aos poucos, o leite ao seu redor, com toda aquela agitação, foi se transformando e formou um pequeno bloco de manteiga, onde a mosca persistente conseguiu com muito esforço subir e dali levantar voo para um lugar seguro.

Esta foi a primeira parte da história na qual se elogia a persistência, que, sem dúvida, é um hábito que nos leva ao sucesso. No entanto…

A parte II nos mostra que tempos depois, a mosca persistente, por descuido, caiu novamente em um copo. Como já havia aprendido em sua experiência anterior, começou a se debater, na esperança de que, no devido tempo, se salvaria. Outra mosca, que passou por ali e viu a aflição da companheira, pousou na beira do copo e gritou: “Tem um canudo ali, nade até lá e suba pelo canudo”. A mosca persistente não lhe deu ouvidos, baseando-se na sua experiência de sucesso, e continuou a se debater, até que, exausta, afundou no copo que estava cheio de suco e não de leite.

 

Moral da história

Quantos de nós, baseados em experiência anteriores, deixamos de notar as mudanças no ambiente e ficamos nos esforçando para alcançar os resultados até nos afundarmos na nossa própria falta de visão? Fazemos isto quando não conseguimos ouvir quem está fora da situação e nos aponta como solução eficaz.

Assim, perdemos a oportunidade de “reencontrar” nossa experiência e ficamos paralisados, presos aos velhos hábitos, com medo de errar. Reenquadrar-se é se permitir a olhar uma situação como se fosse inteiramente diferente de tudo que já vivemos e enxergar através de novos ângulos, para compreendermos que fracasso ou sucesso, tudo pode ser encarado como aprendizagem.

Olhar o novo, inovar e estar atento às mudanças são a vitamina do sucesso.

Francis Magno Flosi é professor, médico-veterinário, acadêmico da Academia Campineira de Letras, Ciências e Artes das Forças Armadas, diretor-presidente do Grupo Qualittas e presidente da ABVET (Associação Brasileira de Veterinários Especialistas).

 

 

 

Comentários
Carregando...