O impacto da pandemia na economia veterinária

Vamos iniciar este artigo chamando você para várias reflexões.

Entramos em uma crise e vimo-nos obrigados a repensar tudo, inclusive nossos negócios.

Estamos deixando de lado alguns padrões e vivenciando as mudanças de novos modelos econômicos e modelos táticos que estão sendo executados e planejados para os próximos meses porque temos pressa. Nos percebemos necessitados de planejar com maior frequência onde faremos nossas alocações de recursos para um equilíbrio entre curto, médio e longo prazos. O que acontece nas crises é que tudo gira em torno de um curto prazo e de maneira apropriada nossos planejamentos, decisões e mudanças devem ser reformulados com regularidade por haver muita mudança, tremenda volatilidade a cada dia.

Estamos entrando em uma era quando os empreendedores e os profissionais sentirão necessidade em descobrir como colocar seus negócios on-line, como criar novas oportunidades diante da crise e como aumentar seu faturamento aperfeiçoando também o uso das tecnologias a seu favor.

Você já sentiu necessidade de estudar um pouco mais sobre Lockdown vertical para entender melhor o que vem acontecendo no nosso país?

Como está e como pode ficar sua realidade profissional e seu faturamento?

Como está a clínica e as lojas dos seus amigos? Houve cortes de pessoal? Houve contratação?

Em uma situação como esta não existe uma linha reta de cortes que garanta que essas são as decisões mais assertivas. Sabemos que há um tempo de urgências e decisões rápidas; mas ao mesmo tempo alimentar um cenário de projeções desesperadoras ou em alto nível de ansiedade não é saudável para você ou para empresa.

Via de regra, buscamos seguir modelos econômicos dos países de primeiro mundo. Porém, o Brasil não tem estrutura para seguir um Lockdown instituído pela Europa por exemplo, que tem uma renda média familiar mensal 5 vezes maior que a renda da família brasileira.

Já deu para você refletir quantas empresas brasileiras vão quebrar depois de tudo isso? Até maio já havia oficialmente perto de 600 mil falências.

Quantos desempregados vamos ter no nosso país? Neste mesmo mês, quase 20 milhões.

E como vai ficar a violência por consequência de todo esse cenário?

São os pequenos e médios empreendedores que movem a economia do Brasil. E são eles que vão acelerar a retomada do crescimento do nosso país por serem responsáveis por 70% dos postos de trabalho. Devemos estar atentos e aderindo ao processo de um constante planejamento, realista, para reconhecer as mudanças apresentadas pelo nosso mercado. Acreditamos que haverá muitas novas oportunidades quando tudo isso acabar.

Vemos o mundo inseguro e reflexivo com o tempo que levaremos para nos recuperar. Ser diferente e ser um intraempreendedor com características inteligentes de proatividade e dinamismo em conseguir resultados nos mostrará que provavelmente você já esteja vendo alguns cenários que teremos. É enxergar o outro lado da crise, pois não faltarão oportunidades para profissionais com esse perfil empreendedor.

Por fim, deixamos mais uma reflexão sobre você, seu negócio e seu futuro. Qual o planejamento e as decisões mais assertivas para sua segurança e de seus colaboradores?

Está cortando custos o suficiente para garantir a sobrevivência em uma crise prolongada? Não costumamos enxergar novas oportunidades no início de uma crise; vislumbramos algo do meio dela para frente. O que você vem buscando de novas oportunidades?

A decisão é sua!

 

Prof. Dr. Marco Antonio Gioso

gioso@usp.br 

FMVZ-USP Karina Costa – Marketing Veterinário

 

 

Comentários
Carregando...