Revista Negócios Pet

Royal Canin realiza estudo inédito

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Royal Canin realiza estudo inédito

Para conscientizar tutores sobre a importância da saúde preventiva para qualidade de vida dos felinos, marca lança sua maior campanha para gatos já feita no Brasil e dá dicas de como tornar a experiência mais segura e confortável para os pets.

No dia 9 de setembro foi celebrado o Dia do Veterinário, uma profissão em que o Brasil se destaca mundialmente: são 360 universidades de Medicina Veterinária e 110 mil profissionais atuantes. Apesar dos números, 42% dos tutores de gatos no país adiam a consulta. Por isso a Royal Canin, referência em nutrição para gatos e cães, quer conscientizar sobre a importância da saúde preventiva para felinos por meio de sua campanha “Saúde é única para cada gato – Meu Gato no Vet”.

Segundo estudo inédito feito pela marca sobre o relacionamento dos tutores de felinos com o médico-veterinário, ao adiarem a visita ao consultório, os tutores procuram por informações na internet, o que pode ser prejudicial ao animal, pois as doenças podem demorar muito para ter sintomas mais aparentes. O medo do estresse gerado pela visita é um dos fatores indicados para o adiamento – 35% dos gatos ficam tensos durante a consulta e quanto mais velho o gato mais estressado ele ficará por causa de experiências anteriores negativas. Entre os tutores, o principal motivo pela tensão foi a falta de uma sala de espera apropriada/reservada para gatos.

A campanha reafirma que o cuidado preventivo por meio de visitas anuais ou semestrais ao médico-veterinário é essencial para a saúde geral e bem-estar dos felinos, pois os veterinários acompanham os detalhes do comportamento do animal e seu histórico médico, garantem a vacinação em dia e a castração, monitoram o peso e discutem a nutrição animal, um dos assuntos de maior interesse nas consultas.

Outro hábito prejudicial do tutor é a rotina alimentar dos felinos. De acordo com o estudo, 72% dos gatos brasileiros recebem alimento seco mais de uma vez ao dia, além da alimentação úmida (sachês) e dos petiscos, pois os tutores têm a sensação que os animais estão com fome ou utilizam a alimentação como uma forma de demonstrar carinho, quando na verdade a quantidade e o tipo ideal de alimentação devem ser indicados pelo médico-veterinário de acordo com a necessidade específica de cada pet.

Após a consulta, 82% dos tutores afirmam seguir as dietas prescritas e 92% os tratamentos médicos, além disso 49% dos tutores discutem a alimentação em todas as consultas e 61% consideram o veterinário a fonte mais confiável de informação para o tema.

A pesquisa também revelou que o tutor brasileiro de gatos é predominantemente mulher (68%) com, em média, 40 anos – 55% consideram os bichanos como membros da família. Além disso, 89% dos donos de gatos moram em cidades e 51% escolhem o médico-veterinário pela distância de suas casas.

 

 

Agora Nossa Edição Digital é Gratuita!

Garanta a sua assinatura e receba mensalmente nossas Edições no Formato Digital

Outras matérias que você pode gostar