Mercado Pet – Setor Pet Chega à R$ 18 Bilhões em 2015, mas não sem efeito da crise!

Por:

Indústria de produtos e serviços para animais de estimação também exportou US$ FOB 351,4 milhões.

A Abinpet (Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação) levantou que, em 2015, o setor faturou R$ 18 bilhões, um crescimento de 7,6% em relação a 2014. Ano passado, o país exportou US$ FOB 351,4 milhões.

Apesar da estimativa positiva, não há desenvolvimento real do setor. O aumento do preço das matérias-primas agropecuárias (milho, soja, arroz, trigo e carnes de aves, bovinos e peixes), que compõem 95% do alimento pet, impacta o custo final, atingindo o consumidor. O segmento de pet food representou ano passado 67,3% do faturamento do setor. No entanto, em cada alimento embalado incidem 49,9% de impostos – entre IPI, ICMS-ST, Pis/Cofins. Portanto, a cada R$ 1 gasto com alimento completo, R$ 0,50 é imposto.

A carga tributária continua sendo um dos maiores entraves para o setor. Sabe-se que aproximadamente 60% do faturamento está no consumo das classes C, D e E, altamente sensíveis aos preços. Existe, deste modo, uma desaceleração em função do cenário econômico atual. Em 2016, outro grande empecilho ao desenvolvimento dessa indústria é o aumento da alíquota do IPI em 10% a partir de maio. “Participamos da criação da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva dos Animais de Estimação dentro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e um dos principais temas é a alta tributação do setor. Com mais este aumento, as famílias serão as maiores prejudicadas. Hoje, no Brasil, estamos quase atingindo a proporção de um animal por duas pessoas. A alimentação adequada dessa população de pets é fundamental, como é a do ser humano”, afirma José Edson Galvão de França, presidente-executivo da entidade. [userpro_private]

Vale ressaltar que a tributação que trata o setor como supérfluo não condiz com o desenvolvimento do mercado, que entende e reconhece os benefícios mútuos da interação entre homens e animais para a saúde e bem-estar. Os pets são membros da família. Além disso, estudos já mostram que os animais trazem excelentes resultados em tratamentos terapêuticos e em políticas de inclusão social.

 

Número de pets

Segundo levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), de 2013, o Brasil tem R$ 132,4 milhões de pets, divididos em 52,2 milhões de cães, 37,9 milhões de aves, 22,1 milhões de gatos, 18 milhões de peixes e 2,21 milhões de outros pequenos animais.

A região Nordeste é a que tem o maior número de gatos, com mais de 7.380 milhões desses animais, seguida pelo Sudeste, com cerca de 7.200 milhões. Cada uma delas representa 33% da população de felinos, seguidas pelo Sul (19%), Norte (8%) e Centro-Oeste (7%). Os cães estão concentrados no Sudeste (40%). A segunda maior região é o Sul, com 23%, seguida pelo Nordeste (20%), Centro-Oeste (9%) e Norte (8%). São Paulo é o Estado com o maior número, mais de 10.550 milhões. Depois está Minas Gerais, com quase 6 milhões e, em terceiro lugar, Rio Grande do Sul, com cerca de 5,2 milhões.

O Sudeste lidera o ranking de aves, com 40% da população nacional. Depois estão Nordeste (26%), Sul (21%), Norte (9%) e Centro-Oeste (4%). O Sudeste ainda concentra mais da metade dos peixes ornamentais do Brasil (63%). Em seguida, estão Sul (20%), Nordeste (7%), Norte (6%) e Centro-Oeste (4%).

É importante ressaltar que há em média 1,8 cão por domicílio no país. Entre todos os domicílios brasileiros localizados na área rural, 65% têm pelo menos um cachorro, enquanto a proporção de lares com ao menos um cão na zona urbana é de 41%. No Sul, 58,6% dos lares, ou seja, 28,9 milhões têm esse animal, enquanto no Nordeste são 36,4%. Em 2013, 44,3% das casas brasileiras tinham esse pet. Hoje, no mundo há 1,56 bilhão de animais de estimação. O Brasil permanece o 4º maior. Em primeiro, está a China, com 289 milhões, depois Estados Unidos com 226 milhões e Reino Unido, com 146 milhões. No entanto, somos o segundo em população de cães e gatos, atrás dos Estados Unidos (74,2 e 145,2, respectivamente) e o 10º no ranking de peixes ornamentais.

 

Como se divide o mercado pet brasileiro 

Dados da Abinpet apontam que todos os segmentos do mercado pet estão estagnados. A alta é muito mais um efeito da inflação e dos tributos do que de desenvolvimento efetivo. Em 2014 e 2015, seguindo a tendência dos anos anteriores, pet food foi o segmento mais representativo: 66,9% no ano retrasado e 67,3% no ano passado. Pet serv era 17,8% do faturamento em 2014 e, em 2015, caiu e passou para 17%. Pet care manteve-se com 8% e pet vet aumentou de 7,3% para 7,7%.

[/userpro_private]

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Outras matérias que você pode gostar

Agora Nossa Edição Digital é Gratuita!

Garanta a sua assinatura e receba mensalmente nossas Edições no Formato Digital

Receba nossas novidades em seu Email

Revista Negócios Pet

A Revista Negócios Pet é direcionada para lojistas de pet shop, escolas de banhos e tosa, clínicas veterinárias e lojas de aquário.É uma vitrine de novidade com produtos e de acessórios mais utilizados pelos profissionais da área, assim podem trabalhar com as melhores marcas do mercado pet.