Aves ornamentais: um mercado em crescente expansão

Um segmento de forte influência histórica no país.

O mercado de produtos para aves está inserido no contexto do imenso segmento pet e representa um total de 132 milhões de animais no Brasil, conforme dados de levantamentos do IBGE. Foram contabilizados no ano passado cerca de 139,3 milhões de animais, sendo que desses 39,8 milhões são de aves.

A criação de aves ornamentais surgiu há algum tempo e tem uma forte influência histórica no Brasil.

Criando animais silvestres em cativeiro desde a época do descobrimento, podemos perceber que já os índios tinham grande admiração pela beleza de aves como araras, papagaios e outros animais.

Hoje em dia, num mundo tão desenvolvido, quando os campos se transformam em cidade, as pessoas ainda têm certa curiosidade e vontade de se sentirem em ambientes naturais.

Em contrapartida, o Ibama ainda proíbe a criação de certos tipos de animais silvestres pensando, é claro, na preservação da biodiversidade.

A companhia, além da realização pessoal de ter aves ornamentais domesticadas, é a principal causa que leva as pessoas a procurarem um local que venda estes animais; e há uma série de espécies de aves procuradas pelas pessoas para fazerem parte de sua família.

O mercado de criação de aves ornamentais está em crescente expansão, principalmente pela construção de chácaras próximas aos centros urbanos.

O dia a dia estressante deixa as pessoas mais carentes de uma paisagem tranquila e natural, e isso culmina na criação de espaços cada vez mais naturais com uma grande quantidade de espécies de animais, incluindo muitas vezes as aves ornamentais, que fazem muito sucesso principalmente por suas cores.

As famílias que têm crianças disparam como grandes consumidores da criação de aves ornamentais, proporcionando a todos o prazer de alimentar estes animais, estar próximo a eles e descobrirem a cada dia suas particularidades e o encanto que podem proporcionar.

Infelizmente temos um mercado consumidor informal que acaba dificultando as pesquisas de comércio de aves ornamentais, deixando o empreendedor bastante inseguro no começo do negócio pela falta de estatísticas reais e relevantes.

Porém, com algum estudo e observação, é possível definir o mercado e conseguir recursos para chegar até o consumidor e fazer negócios. Por estimativa, vemos uma quantia superior a 15 bilhões de dólares sendo mobilizada em todo o mundo no comércio de animais silvestres.

Porém, com a Natureza cada vez mais destruída e decadente, fica mais difícil a preservação das espécies, gerando um futuro problema para o empreendedor de criação de aves ornamentais e também de outras espécies silvestres.

O varejo pet nacional movimentou R$ 34,4 bilhões em 2018, alta de 4,6% frente a 2017, quando o faturamento final foi de R$ 32,9 bilhões. Os dados foram divulgados pelo IPB (Instituto Pet Brasil). O balanço é positivo, já que a participação do setor representa 0,36% do PIB, fatia grande o suficiente para superar os segmentos de utilidades domésticas e de automação industrial.

Com os resultados mais recentes, o Brasil também passa a figurar como segundo principal mercado pet do planeta, com participação de 5,2%, enquanto Reino Unido e a Alemanha o acompanham de perto, com participação de 4,9% cada. Em primeiro lugar estão os Estados Unidos, com 40% do faturamento de varejo do setor, em escala global.

O IPB também atualizou os dados da população pet do Brasil, número que não recebia nova amostragem desde 2013. A estimativa de 2018 indica que a população pet brasileira é de aproximadamente 139,3 milhões de animais. Foram contabilizados no país 54,2 milhões de cães; 39,8 milhões de aves; 23,9 milhões de gatos; 19,1 milhões de peixes e 2,3 milhões de répteis e pequenos mamíferos. Em 2013, a população pet no Brasil era de cerca de 132,4 milhões de animais, últimos dados disponíveis quando a consulta foi feita pelo IBGE.

No acumulado, o gato foi o animal que mais cresceu, com alta de 8,1% desde 2013. Em seguida, os pets que acumularam maior crescimento nos lares brasileiros foram os peixes com 6,1%. Répteis e pequenos mamíferos registraram alta de 5,7%; aves, 5% e cães, crescimento de 3,8% em sua população. A média geral é de 5,2%.

Este mercado é bastante significativo e envolve cifras, no que se refere a produtos para aves, acima de bilhões de reais em faturamento.

No início, este segmento não oferecia diferencial aos consumidores, sendo disponibilizados pequenos negócios que visavam atender a venda de rações e acessórios básicos para os pássaros.

Com o passar do tempo, foi percebida a grande demanda deste mercado e a necessidade de maior qualificação da mão de obra, para atender às necessidades, assim como o desenvolvimento de ampliar a oferta de animais e acessórios inovadores para as aves.

Investindo cada vez mais em inovação e diversificação de produtos, é correto afirmar que esse é um segmento de mercado em expansão bastante significativa e traz consigo a motivação de consumidores a realizar compras e investir em aves que lhe proporcionem satisfação.

Isso faz com que o segmento tenha sempre incentivos para aumentar sua participação real na economia e se fortaleça cada vez mais. Afinal, qualquer pet, hoje em dia, é tratado com muito respeito e faz parte de uma demonstração de amor de seus donos para com eles.

Os produtos para aves vêm apresentando crescimento contínuo e com tendências a se superar a cada ano, como vemos.

Existem, no Brasil, aproximadamente 30 mil lojas de pequeno e médio portes, incluindo aí mercadinhos e supermercados, que comercializam produtos nessa área.

E a tendência é de ampliação do mercado com perspectivas de vendas com maior valor agregado, refletindo diretamente em aumento de resultados para quem trabalha com esse segmento.

 

 

Comentários
Carregando...