Estética animal: conhecimentos e tendências3 min para ler

Faz muito tempo que o animal de estimação saiu definitivamente do fundo do quintal para ocupar um lugar especial dentro da casa da família brasileira.

Segundo dados do IBGE de 2015, existem 52 milhões de cães e 22 milhões de gatos, favorecendo a expansão do mercado pet que fechou o ano de 2017 com 13% de aumento, conforme a pesquisa realizada pela revista Veja. Ainda de acordo com o IBGE, o Brasil é o quarto país no ranking de maior população de animais de estimação no mundo.

Agora com esses números crescentes e animadores, faço um questionamento: você, profissional da estética, groomer, tosador ou banhista, está pronto para atender com excelência esta demanda?!

Está muito claro que o profissional de estética animal é quem possui o contato mais íntimo, pois acompanha semanalmente o animal que frequenta o banho e tosa e desta maneira consegue avaliar de forma minuciosa a pele, os pelos, os ouvidos, as unhas e os coxins, notificando ao proprietário quando há algum problema com seu pet que mereça atenção e orientando se há necessidade de levá-lo ao veterinário, presença de parasitas ou algum cuidado específico. Muitos médicos-veterinários já contam com o auxílio do centro de estética para identificar lesões, otites, retornos de tratamentos dermatológicos e sinalizar possíveis afecções que podem estar acometendo o animal que está frequentando o centro de estética e que o proprietário pode não ter notado em casa.

Desta maneira compreendemos que o trabalho do esteticista deixou de ser há muito tempo apenas lavar e secar animais. Hoje os olhos estão atentos para outras questões muito importantes e que desenvolvem autoridade e credibilidade ao estabelecimento – e ao profissional – quando os esteticistas dão um feedback a respeito do estado geral do animal para o tutor. Além da escolha de excelentes produtos para utilizar no centro de estética, ele necessita manter-se atualizado sobre tosas e, não menos importante, ter o mínimo de conhecimento sobre saúde e bem-estar animal.

Não se trata de ser médico-veterinário, mas de ter o conhecimento básico necessário para identificar quando há algo errado e conseguir direcionar o cliente. Desta forma cria um ciclo de confiança entre o profissional e o proprietário, promovendo saúde para o animal e fomentando um relacionamento mais saudável entre humanos e animais.

Portanto o esteticista que quer atender com excelência necessita adquirir conhecimentos básicos de anatomia, primeiros socorros, saúde, bem-estar animal e adestramento. Não é necessário ser um perito em cada um dos quesitos citados, mas o conhecimento deve ser utilizado como ferramenta para facilitar o trabalho do esteticista, não bastando apenas estudar, mas compreender como tornar o conhecimento útil e colocá-lo em prática. É importante ter cuidado ao selecionar a escola e o professor/instrutor, pois este é o conhecimento que abrirá as portas na sua carreira!

O aprimoramento é lento, constante e necessário! Aquele que seguir a esta tendência do mercado, compreender a relação íntima e estreita que ocorre entre profissional, proprietário e pet terá em suas mãos a fórmula do sucesso!

Gabriela Bodnar é médica-veterinária, groomer há mais de 10 anos e especialista Empóriopet.

 

 

 

Comentários
Carregando...