Saúde Pet – Cicatrização nos pets

Processo requer cuidados específicos e atenção redobrada

Na rotina da clínica veterinária, existe uma alta incidência de atendimentos a animais acometidos por lesões e feridas de diferentes tipos, sejam de origem acidental (mordeduras por brigas, atropelamento, queimaduras), sejam cirúrgicas (que incluem incisões extensas, com grande perda de pele).

A cicatrização é um processo complexo, que envolve a estruturação e o crescimento de um novo tecido e depende de vários fatores, como localização anatômica, tipo da pele, raça, idade, hiperatividade do paciente e o próprio tratamento das feridas. Portanto, para que tudo ocorra bem, cães e gatos requerem cuidados especiais quando possuem ferimentos.

Manter o local limpo para não ter contaminação da ferida, lavar bem as mãos antes de manusear a lesão, limpar e proteger a área machucada e usar o colar protetor no animal para que ele não lamba o local e, com isso, atrase o processo de cura são práticas essenciais e simples de serem aplicadas.

Alguns ferimentos são de difícil cicatrização, mas esse problema não é exclusivo das feridas crônicas, podendo ocorrer nas agudas. É o caso das lesões traumáticas, decorrentes de atropelamentos ou mordidas de outros animais. Quando não tratadas da forma correta, podem se tornar propensas à infecção e, assim, interferir no processo de cicatrização.

Sabe-se que, na maioria das situações, as feridas tratadas e manejadas de forma aberta, com limpeza diária, bandagens e uso de ativos com ação cicatrizante, apresentam uma boa evolução e rápida cicatrização. Porém, para um tratamento efetivo e de qualidade, é importante levar o animal ao veterinário para avaliação e estabelecimento do melhor protocolo terapêutico.

O Regepil, por exemplo, de uso tópico e formulação exclusiva, é uma solução inovadora e com potente ação cicatrizante. Recente no mercado, ele é eficaz na cura de feridas crônicas ou agudas, de origem cirúrgica ou não. Com a associação dos ativos Ketanserina e Asiaticosídeo, o Regepil atua em diferentes estágios do processo cicatricial e tem aplicação prática e segura.

Fernanda Mattos é analista técnica na Ourofino Saúde Animal.

 

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...

Chat