Felinos – Leucemia Felina Silenciosa e fatal

Ela enfraquece o sistema imunológico dos bichanos que, sem proteção, acabam infectados por outros diversos problemas que podem levá-los à morte.

Muitas doenças podem acometer os gatos, no entanto, algumas estão entre as mais preocupantes e perigosas para a espécie, uma delas é a FeLV (Leucemia Felina).

Sendo o câncer uma doença relativamente frequente no mundo dos gatos, já há muitos profissionais que se dedicam à pesquisa da cura e de diferentes tratamentos para o problema, que é tido como a causa principal em mais de 30% dos casos de óbito em gatos com algum tipo de câncer.

 

[sociallocker]

Ao contrário dos tipos de câncer que acometem os seres humanos, a Leucemia Felina pode ser transmitida entre os gatos de maneira bastante fácil e por meio de um simples contato entre os animais. Secreções nasais dos bichanos, a saliva e as lágrimas de um felino comprometido pela doença já são o suficiente para alastrar o vírus da FeLV para outros gatos saudáveis, assim como as fezes e a urina dos animais infectados pela doença.

Filhotes saudáveis nascidos de gatas infectadas também podem ser acometidos pela doença na hora do parto ou por meio da amamentação, sendo que cerca de 80% dos gatinhos que adquirem o problema nestas condições acabam falecendo em pouco tempo – ou passando o resto de suas vidas sofrendo com as consequências da enfermidade.

A simples lambedura mútua entre gatos (nos casos em que haja um infectado), portanto, também destaca uma grande chance de transmissão do vírus da Leucemia Felina – embora os animais com o sistema imunológico mais bem preparado possam eliminar o vírus durante a fase inicial de infecção.

Para entender um pouco melhor sobre a FeLV – Leucemia Felina, entrevistamos a médica-veterinária Camila Sabaudo Alves, pós-graduada em Cirurgia de Tecidos Moles pela Anclivepa-SP e mestranda em Patologia Experimental e Ambiental pela Universidade Paulista, que tem mais de cinco anos de experiência na área. Confira!

 

Negócios Pet: Explique um pouco sobre a FeLV (Leucemia Felina):

MV Camila Sabaudo Alves: A Leucemia Felina é uma neoplasia maligna que se origina nas células da medula óssea, que acomete gatos de qualquer raça, sexo ou idade. Pode ser classificada em duas categorias, de acordo com a linhagem celular da qual se origina: linfoide ou mieloide. E, de acordo com seu curso clínico, em aguda e crônica.

 

NP: É muito comum?

CSA: A leucemia é rara no gato (< 15%). Porém, cerca de 90% dos gatos com leucemia apresentam o vírus da Leucemia Felina (FeLV), que tem se disseminado cada vez mais no Brasil.

 

NP: Como fazer o diagnóstico?

CSA: O diagnóstico é feito através de hemograma, o qual apresenta citopenias (diminuição das células) ou células anormais no sangue periférico. Porém, se as alterações no hemograma não forem diagnosticadas, um aspirado de medula óssea pode fornecer informações que confirme o diagnóstico. Além disso, gatos com suspeita ou confirmação de leucemia devem ser testados para FeLV.

 

NP: Quais os sinais clínicos?

CSA: Geralmente, os sinais clínicos são vagos e inespecíficos. Podem apresentar letargia, anorexia, perda de peso, febre, vômito e diarreia.

 

NP: Qual é o tratamento?

CSA: O tratamento indicado é a quimioterapia. Pode ser utilizado protocolo com agente único ou combinado.

A ciclofosfamida é o quimioterápico mais utilizado como agente único ou pode ser combinado com vimblastina, prednisona, doxorrubicina ou citosina arabinosídeo.

A leucemia é uma doença com prognóstico ruim e tempo de sobrevida baixo.

[/sociallocker]

 

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...